FALA COMIGO – EYSHILA

Quando ouvimos a voz do Senhor, Ele nos guia por pastos verdejantes.

Anúncios

10 Dicas para um bom ensaio vocal

2075927082_18f8340cbe.jpg
Autor: Mirella de Barros Antunes

O ensaio deve fazer parte da rotina de todo ministério de música. Algumas pessoas tem uma visao fantasiosa a respeito dos músicos de sucesso supervalorizando a questão da INSPIRAÇÃO. Mas qualquer músico que se esforça para oferecer o melhor em seu ministério sabe que inspiração é importante, mas TRANSPIRAÇÃO é fundamental.

O ensaio é a hora da transpiração, de dedicar tempo e atenção para que a música na casa de Deus seja feita com qualidade. Já ouvi muitos comentários do tipo: “Nós ensaiamos tanto mas nada dá certo!” Talvez o ensaio nao esteja sendo feito de forma eficaz e foi pensando nisto que resolvi indicar alguns caminhos para que voce chegue no ponto que deseja. Vamos juntos!

1. REGULARIDADE
Procure fazer ensaios constantes, no mínimo uma vez por semana, isto é importante para integração musical e comunhao do grupo.

2.TEMPO
Uma duraçao ideal para um bom ensaio deve ser em torno de duas horas. É difícil conseguir resultados reais em menos tempo, se voce quiser fazer um ensaio mais longo de um pequeno intervalo para água e descanso, precisamos lembrar que a voz é um instrumento delicado.

3.PRESENÇA
A presença no ensaio deve se tornar obrigatória, nao é justo que o grupo todo ensaie e no momento da ministraçao seja prejudicado por um “penetra” nao é ?

4.ESTRUTURA
É importante ter um local específico para ensaio, um lugar quieto onde o grupo possa ter um pouco de privacidade. O ensaio vocal deve ser sempre acompanhado por um instrumento harmônico ( teclado, piano, violao, guitarra) que garanta a afinaçao do grupo.

5. ORAÇAO
É verdade que ensaio é ensaio, nao é hora de estudo bíblico e nem de oraçoes sem fim, mas é importante orar no início do ensaio. Quando estamos trabalhando na obra muitas lutas se levantam precisamos lembrar que nao é contra carne nem sangue que devemos guerrear. Efésios 6:10-18.

6.AQUECIMENTO
Pense na voz como parte de seu organismo. Quando voce abre os olhos de manha, logo pula da cama e sai correndo pelo quarteirao para se exercitar ??? Claro que nao! Da mesma forma a voz precisa se espreguiçar, precisa acordar, precisa aquecer. Exercícios de relaxamento, de respiraçao e alguns vocalizes tem esta funçao na técnica vocal. O grupo, ou alguém do grupo, precisa investir em uma boa aula de técnica vocal.

7.MATERIAL VISUAL
Todo material escrito ajuda na memorizaçao. Se souber escreva os arranjos, se nao souber, registre ao menos a letra e acordes do cântico e distribua cópias. Peça que as pessoas anotem o que está sendo combinado: onde abrir voz, variaçoes de dinâmica, repetiçoes, etc.

8.MATERIAL AUDITIVO
Se voce vai ensaiar músicas já registradas em Cd, leve a gravaçao para que todos ouçam o arranjo original. O desenvolvimento da percepçao musical é imprescindível para o bom cantor.

9. ORGANIZAÇAO
O ensaio precisa ter direcionamento, é bom que o repertório e o roteiro do ensaio estejam pré-definidos. A equipe deve ser agrupada com alguma lógica: homens e mulheres, por naipes (sopranos, contralto, tenor, baixo), ou da maneira que voce achar melhor, mas faça desta divisao algo automático na cabeça do grupo.

10.PERSEVERANÇA
Tenha paciencia e nao desista. Medite em II Pedro 1: 5-8. O ensaio é uma semeadura, nem sempre colhemos os frutos instantaneamente, mas o nosso trabalho nao é vao no Senhor!!!

O que é um levita?

r.gif
Autor: Anísio Renato de Andrade

DE ONDE ENTÃO VEM O CONCEITO DE “LEVITA”?

Muitas vezes, os ministros de louvor e músicos evangélicos são chamados de “levitas”. Tal costume não é muito antigo, mas parece que já está se tornando tradição. No Novo Testamento não temos referência a ministros de louvor nem a instrumentistas na igreja. Jesus disse que o Pai procura adoradores (João 4:24). O ensino apostólico, por sua vez, incentiva todos os cristãos a prestarem culto ao Senhor, com salmos, hinos e cânticos espirituais (Ef 5:18-20; Col 3:16).

De onde então vem o conceito de “levita”? Tomamos por empréstimo de Israel e do Velho Testamento. Originalmente, “levita” significa “descendente de Levi”, que era um dos 12 filhos de Jacó. Os levitas começaram a se destacar entre as 12 tribos de Israel por ocasião do episódio do bezerro de ouro. Quando Moisés desceu do monte e viu o povo entregue à idolatria, encheu-se de ira e cobrou um posicionamento dos israelitas. Naquele momento, os descendentes de Levi se manifestaram para servirem somente ao Senhor (Êx 32:26). Daí em diante, os levitas se tornaram ministros de Deus. Dentre eles, alguns eram sacerdotes (família de Aarão) e os outros, seus auxiliares. Embora os sacerdotes fossem levitas, tornou-se habitual separar os dois grupos. Então, muitas das vezes em que se fala sobre os levitas no Velho Testamento, a referência se aplica aos ajudantes dos sacerdotes. Seu serviço era cuidar do tabernáculo e de seus utensílios, inclusive carregando tudo isso durante a viagem pelo deserto (Números capítulos 3, 4, 8, 18).

Naquele tempo, os levitas não eram responsáveis pela música no tabernáculo. Afinal, não havia uma parte musical no culto estabelecido pela lei de Moisés, embora as orações e sacrifícios incluíssem o sentido de louvor, adoração e ações de graças.

Muito tempo depois, Davi inseriu a música como parte integrante do culto. Afinal, ele era músico e compositor desde a sua juventude (I Sm 16:23). Então, atribuiu a alguns levitas a responsabilidade musical. Em I Crônicas (9:14-33; 23:1-32; 25:1-7), vemos diversas atribuições dos levitas. Havia então entre eles porteiros, guardas, padeiros e também cantores e instrumentistas (II Crônicas 5:13; 34:12).

Considerando o paralelo existente entre Israel e a Igreja de Jesus Cristo, podemos até utilizar o nome “levita”, embora não sejamos descendentes de Levi. Mas, se queremos assim considerar, então todos os que servem em qualquer ministério podem ser chamados “levitas”. O levita é aquele que executa qualquer serviço ligado ao culto. O levita é simplesmente um servo e não alguém que esteja na igreja para ser alvo da glória humana.

Aqueles levitas, designados por Davi para o louvor, eram liderados por Asafe, Hemã e Jedutum, e tinham a tarefa de PROFETIZAR com harpas, alaúdes e saltérios (I Crônicas 25:1). Nessa época, surgiu a maior parte dos salmos de Israel. Hoje, podemos testificar que aqueles levitas eram mesmo profetas. Por meio deles o Espírito Santo falava ao povo. Além disso, eram mestres no que realizavam (I Cro 25:7). E nós? O que somos? Se quisermos usar o nome de “levitas” precisamos nos dispor para o serviço e para caminhar em direção a um nível de qualidade excelente no ministério.

A vida devocional de um levita

r1.jpg
Autor: Paulo Rogério Petrizi

“Orar é fundamental para desenvolver a vida com Deus”

Pela manhã ouves a minha voz, ó Senhor; pela manhã te apresento a minha oração e vigio. (Salmo 5.3)

I. O Levita e a Oração

A Bíblia não apresenta uma definição de oração. O conceito em si pode ser extraído das muitas experiências dos personagens bíblicos e das exortações de Deus. Eis uma lista de exemplos de orações na Bíblia:

a) Abraão pediu a Deus um herdeiro. Gn 15.2-3.
b) Ana pediu a Deus um filho. 1Sm 1.9-13.
c) Ezequias intercedeu por Jerusalém. 2Rs 19.14-19.
d) Moisés pediu para ver a glória de Deus. Ex 33.18.
e) Salomão pediu sabedoria a Deus. 1Rs 3.5-9.
f) Paulo pediu que Deus removesse sua limitação. 2Co 12.7-10.
g) Davi louvou a Deus pela sua bondade. Sl 100.
h) Maria louvou a Deus por ter sido escolhida para dar à luz o Messias. Lc 1.46-55.
i) Paulo e Silas louvaram a Deus mesmo no sofrimento. At 16.25.
j) Simeão e Ana louvaram a Deus por conhecerem Jesus. Lc 2.25-38.
l) Moisés Abriu seu coração num momento de crise. Nm 11.10-15.
Há muitos outros exemplos de oração nas Escrituras, afinal, uma das principais características de um Homem ou Mulher de Deus é a prática da oração. À luz destes e de outros textos bíblicos, aliste abaixo algumas observações suas do que é a oração para a vida do cristão:

Quanto tempo diário um Levita deve investir em sua vida devocional?

[1]
Num artigo escrito para a Revista Teológica do STBSB o pastor Ed Kivitz faz referência a uma estatística feita nos Estados Unidos que atesta que a média de oração dos pastores era de sete minutos por dia!

[2]
Qual a relação entre a importância que se dá à oração o tipo de ministério que se faz na Igreja?

Vamos terminar este tópico sobre a oração sugerindo que você medite nas promessas que o Senhor nos faz nos seguintes textos: Jeremias 33.3, Isaías 55.6, Jeremias 29.13 e Salmo 50.15.

II. O Levita e o Jejum

Um cristão deve jejuar? Claro que sim! O próprio Senhor Jesus jejuava – em Mateus 4.2 lemos que Ele passou em jejum um período de quarenta dias. O mesmo Senhor incluiu o jejum em suas recomendações no Sermão da Montanha (Mateus 6.16-18) e garantiu que o jejum praticado com a correta motivação trará resultados: […] “e teu Pai, que vêm em secreto, te recompensará.” (Mateus 6.18).

Sobre o jejum, em Lucas 5.35, Jesus afirmou que após a sua partida os seus discípulos teriam a necessidade de jejuar. O mesmo texto mostra que os discípulos de João Batista faziam freqüentes jejuns. Também o jejum foi citado por Jesus na explicação que deu aos discípulos que não conseguiram lidar com o menino que era atormentado por um espírito demoníaco: […] “Esta casta não pode sair senão por meio de oração e jejum.” (Marcos 9.29).

O livro de Atos dos Apóstolos relata a prática do jejum pela liderança da Igreja em Antioquia: “E servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: Separai-me agora a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado. Então, jejuando e orando, e impondo sobre eles as mãos, os despediram.” (Atos 13.2-3).

No mesmo livro de Atos, no relato acerca da primeira viagem missionária de Paulo e Barnabé, lemos que antes de escolherem os presbíteros para as Igrejas, os apóstolos promoviam jejuns e orações (Atos 14.23). Além destes apóstolos, a Bíblia nos apresenta uma galeria de homens e mulheres de Deus que praticaram jejuns e orações: Moisés (Êxodo 34.28; Deuteronômio 9.9-18), Davi (2 Samuel 12.16), Esdras (Esdras 8.21-23), Neemias (Neemias 1.4), Ester (Ester 4.16), Daniel (Daniel 9.3), Ana (Lucas 2.37), dentre outros.

Por tudo isto não resta dúvidas que o jejum, junto com a oração, é prática necessária para os crentes poderem crescer espiritualmente e para que a Igreja alcance excelência no exercício de seus ministérios.

III. O Levita e a Palavra de Deus

Leia e transcreva nas linhas abaixo o Salmo 119.18 (esta deve ser a sua oração constante):

Como servos do Senhor temos a necessidade de conhecer o nosso Deus e a sua vontade para as nossas vidas. Por isso é tão fundamental a leitura, estudo, meditação e aplicação da Palavra de Deus.

Depois de uma leitura atenciosa e de uma interpretação correta, o Levita deverá aplicar a Palavra de Deus à sua própria vida (sem este passo ele não poderá se dedicar à ensinar a Palavra a outros).

Leia I Samuel 15.22-23 e explique por que é tão importante conhecer e aplicar a vontade de Deus:

Quando nós conhecemos a Palavra e colocamos em prática seus ensinamentos, estamos trazendo sobre nossas vidas as bênçãos da obediência. Faça uma pesquisa na Palavra acerca das bênçãos da obediência e prepare-se para compartilhar com os irmãos da classe.

[1] Lembro-me de um pastor que ouvi recentemente que afirmou que a qualidade deste tempo é crucial. [2] KIVITZ, Ed René. Quebrando Paradigmas. Em Revista Teológica STBSB, no. 15, 1996, p. 34.

SE TIVERES PAZ – LEONARDO GONÇALVES

Clame ao Pai e Ele lhe dará paz.