A importância da santidade

Introdução

Talvez este seja um assunto pouco lido e pouco estudado entre muitos músicos e cantores cristãos: a importância da santidade. Percebemos que muitos líderes de música e pastores, por alguma razão, não têm dado devida atenção a este problema. Talvez isto aconteça por falta de músicos, por politicagem, ou por muitos outros motivos que não vêm ao caso, mas que têm permitido pessoas que não vivem a santidade subir no palco para ministrar à igreja. Muitas vezes, os próprios líderes não têm se preocupado com isto.

Ilustração

Costumo comparar a importância da santidade de uma equipe de louvor com um sistema de encanamento. É importante saber que para um sistema de encanamento funcionar corretamente, os canos devem estar livres de sujeira, devem estar desobstruídos. Se ocorrer o contrário, podem ocorrer vazamentos, quebra de canos, e toda a água pode perder-se. Sendo assim, o lugar de destino se tornará seco pela falta de água. Ambos, os canos e o lugar de destino sairiam prejudicados, devido a este problema de entupimento.

Significado

Se for passar esta ilustração para a realidade, podemos entender que os músicos são os canos, Deus é a fonte, a água constitui as bênçãos e a igreja é o lugar de destino da água. Os levitas são os canos que ligam a fonte (Deus) ao lugar de destino (igreja). Os canos servem para levar água ao lugar de destino, assim como os músicos servem para ligar Deus à Igreja no “período de louvor”, trazendo ministração, revelações de Deus, bênçãos de toda sorte, alegria, júbilo, paz, amor, perdão, comunhão etc. Mas para este sistema funcionar corretamente, os canos não podem estar sujos, os músicos não devem estar em pecado, senão as bênçãos poderão se perder pelo caminho. A fonte (Deus) está sempre disponível para nos enviar água, mas nós devemos trabalhar em comunhão com ela, mantendo os canos sempre limpos (santidade). Se ocorrer o contrário, o lugar de destino ficará seco (a igreja não receberá o que Deus preparou para ela naquela ocasião).

Você entendeu a ilustração acima? Você percebe a importância da santidade de cada pessoa de um “grupo de louvor”? Por toda a Bíblia, observamos que Deus exige que as pessoas fujam do pecado e vivam uma vida reta diante dEle. Se estivermos em pecado nossa comunicação com Deus estará obstruída e não poderemos ministrar aos outros irmãos numa situação destas. Se a nossa vida não sustentar a música que cantamos, certamente a igreja nos acusará: “Ele prega uma coisa mas vive outra!”. Sem contar que o pecado pode trazer consciência pesada, desânimo, tristeza, etc.

Conclusão

É por esta razão que eu sempre aconselho os “grupos de louvor” a se reunirem antes do início de cada reunião. Neste período deve-se buscar, antes de tudo, a santidade, o perdão dos pecados que cada um cometeu. Cada músico deve estar arrependido para que Deus possa limpar o coração de cada um. Aí sim, os canos estarão limpos para que a água flua livremente do trono de Deus para a igreja. Meus amados irmãos, levem os seus “grupos de louvor” a buscar e viver uma vida de comunhão perante Deus. Sejam instrumentos nas mãos de Deus para levar santidade aonde não há, visto que é essencial estarmos limpos para que a igreja receba, através de nós, aquilo que Deus deseja dar.

Autor: Ramon Tessmann

Como está seu coração?

Como está seu coração?

No livro de Ezequiel 11:19 está escrito: E lhes darei um só coração, e um espírito novo porei dentro deles; e tirarei da sua carne o coração de pedra, e lhes darei um coração de carne;

Quero aproveitar essa palavra para induzi-los a refletir sobre o tipo de coração que você tem no momento. Você está ainda com um coração de pedra ou já permitiu que o Senhor colocasse em você um novo coração?

Nós músicos, levitas na casa do Senhor temos que ter um coração sensível à voz do Espírito Santo. Deus quer nos usar como Continue lendo »

Música Gospel: Padrões de Deus ou padrão do mundo?

Autor: Ronaldo Bezerra
Observando o que está acontecendo no meio evangélico, podemos perceber que a fé cristã está sendo trocada sutilmente por alguma moda que tenha um colorido cristão e o nome gospel. Na música gospel é onde temos percebido mais estas coisas de que estamos falando. São os grandes shows, a tietagem, faixas com o nome do cantor ou da banda, botons, cantores e bandas que só se apresentam sob cachês extremamente exagerados, são conhecidos como os “pop stars” evangélicos. Esses e outros modismos têm distraído a atenção de jovens, adolescentes e adultos para que não percebam que estão deixando de pregar e viver o real evangelho e então, descubram que estão abraçando valores carnais e mundanos.

Desde que surgiu nos EUA, décadas atrás, através dos negros americanos convertidos ao evangelho de Cristo, a música gospel vem passando por uma grande transformação rítmica e tecnológica. Estúdios modernos e arranjos sofisticados, cantores e músicos aperfeiçoam suas técnicas, mas infelizmente grande parte dessas pessoas estão deixando de lado o principal, o verdadeiro louvor e a mais sincera adoração à Deus. “Deus é espírito; e importa que seus adoradores o adorem em espírito e em verdade” – Jo 4:24. “Por meio de Jesus, pois, ofereçamos à Deus, sempre, sacrifícios de louvor, que é o fruto de lábios que confessam o seu nome” – Hb 13:15.

Esqueceram-se de Jesus e procuram o reconhecimento e a exaltação do público que os ouvem. Alguns querem alcançar o público secular para vender seus discos com a desculpa de “pregar o evangelho ao mundo”, mas omitem Jesus em suas músicas. Alguém precisa lembrá-los que a fé vem pelo ouvir, ou seja, pela pregação da palavra de Cristo. “E assim, a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo” – Rm 10:17. Se eles não pregarem a palavra de Cristo, de onde surgirá a fé? Esses artistas do Gospel ignoram que a música é apenas um meio utilizado para conduzirmos o evangelho à mente e ao coração daqueles que não conhecem a salvação em Jesus Cristo.

É triste ir a uma apresentação de um cantor ou banda gospel e presenciar o público exaltar os mesmos com gritos do tipo “Ô ZZZ cadê você, eu vim aqui só pra te ver”. Mais triste ainda, é ver os cantores e bandas aceitando esses louvores. Deveriam exortar o público a enxergar quem é o único que é digno de todo o louvor. “…o louvor, e a glória, e a sabedoria, e a honra, e o poder, e a força sejam ao nosso Deus, pelos séculos dos séculos. Amém” – Ap 7:12.

Para agravar ainda mais a situação, gravadoras e emissoras de rádio praticam uma corrida sem limites em busca do dinheiro. Nos EUA algumas das maiores gravadoras de música gospel são segmentos das grandes gravadoras seculares (elas visam apenas os lucros financeiros).

No Brasil, emissoras de rádio brigam umas com as outras em busca de audiência e a conquista de uma importante fatia do mercado musical. Uma gravadora tenta, em sua própria rádio, omitir o que as outras tocam.

Eventos de mídia são realizados com o intuito de premiarem o melhor cantor, a melhor música, a melhor banda, o melhor vídeo clip… tudo isso perde o sentido quando voltamos a nossa atenção para Jesus e seus ensinamentos. Se o fim de todas essas coisas for o dinheiro, isso chama-se AVAREZA!
“Então, lhes recomendou: tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer AVAREZA; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui” – Lc 12:15.
“Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lascívia, desejo malígno e a AVAREZA, que é idolatria… ” – Cl 3:5.
“Seja a vossa vida sem AVAREZA…” – Hb 13:5.

Se o fim de tudo isso for a exaltação do homem, isso chama-se VANGLÓRIA. “Não nos deixemos possuir de VANGLÓRIA, provocando uns aos outros, tendo inveja uns dos outros” – Gl 5:26.
“Nada façais por partidarismo ou VANGLÓRIA, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo” – Fl 2:3.

Graças a Deus, ainda existem cantores e bandas que conhecem o verdadeiro sentido do louvor e adoração através da música. Esses dão um verdadeiro testemunho de vida santificada através de letras musicadas.

Se você, de alguma maneira, está envolvido com a música gospel, procure manter distância dos padrões ensinados pelo “mundo” e, busque os padrões de Deus. “Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até o dia de Cristo” – Fl 1:6.

Deus te abençoe!

Ministração de Louvor no Culto

1443765647_c6d2394afe.jpg
O valor do culto – Mt. 4:10
O momento do culto é o momento da grande celebração ao Senhor. É quando a congregação se reúne para celebrar o milagre da ressurreição de Jesus, da nova vida em Cristo, da comunhão no Espírito e das conquistas espirituais. Para ministrarmos diante do Senhor e da congregação precisamos ser eficientes e sensíveis.

Preparação dos ministros – II Tm. 2:15
– Aspecto espiritual – é necessário oração e leitura bíblica diariamente; um jejum semanal; oração e compartilhamento entre o grupo.
– Aspecto musical – é preciso realizar ensaios para que haja entrosamento (iniciar com um texto bíblico e oração).
Ter uma lista definida de cânticos; quando forem novos, providenciar cifras.
Manter a ordem no ensaio evitando distrações, brincadeiras e conversas paralelas que são verdadeiros “ladrões de unção”.
É necessário total concentração durante o ensaio; estar atento às orientações, arranjos, rítmica, métricas, etc.
O tempo do ensaio deve ser também um tempo de ministração.

Repertório – Sl. 96:1
Porque cantar um cântico novo? Para cantar com o coração e não apenas com a mente. Cantar o mesmo cântico em todos os cultos pode se tornar cansativo e enfadonho, e as pessoas acabam cantando apenas com a mente.
– Elaborar um repertório adequado ao tipo de reunião, ex: reunião de jovens, evangelismo, ceia, etc; o repertório de um culto dominical é diferente de um lançamento de um cd, por exemplo;
– Elaborar um repertório adequado ao tempo de duração do louvor (conferir com o pastor); Dependendo do tempo dado à ministração dos cânticos não será necessário uma lista extensa de músicas. Estar sensível e atento a isso, e como no tópico anterior, diferenciar o tipo de programação;
– É importante que o período de louvor seja iniciado com cânticos de celebração e de guerra, seguidos de cânticos de adoração. Existe um protocolo, uma ordem para entrarmos na presença de Deus – Sl. 100. Observe:
Acões de Graças (Portas) – Gratidão.
Louvor (Átrios) – Alegria, gritos, música sobre os feitos poderosos de Deus, quem Ele é e o que faz.
Adoração (Lugar santíssimo) – intimidade com Deus, músicas para Ele. Isso pode mudar segundo a orientação do Espírito Santo, mas é necessário ter uma ordem na sequência dos cânticos. Seja sensível!!!

O dirigente – II Cr. 29:27-30
O rei Ezequias estava a frente representando a liderança principal. Os líderes devem ir a frente e ensinar os seus músicos a profetizar!
O dirigente tem uma função importante no processo de culto coletivo. É responsável em conduzir a congregação na adoração ao Senhor. Para isso precisa estar consciente da sua missão e devidamente preparado. Vejamos alguns princípios que facilitarão sua tarefa:

– Dependência do Espírito – antes de tudo, buscar essa dependência geral, total e irrestrita, entendendo que o culto é do Espírito Santo e Ele sabe o que é melhor para cada pessoa na congregação, e dá ao dirigente as diretrizes da reunião – Rm. 8:26-27. Cuidado para não manipular as pessoas!
– Abertura do culto – o dirigente deve tratar o povo com amabilidade, encorajando-o com uma promessa da Palavra, tomar cuidado com a maneira de falar, não ser grosseiro, indelicado, etc. Esse primeiro contato é a chave para o desenvolvimento de uma ministração abençoada e abençoadora.
– Devemos evitar – vícios de palavras, erros de português, “pregações” durante o louvor, interromper a ministração para “ler a Bíblia”, deixar o povo em pé por muito tempo, vestimenta inadequada, tipo roupa justa, transparente, cores chamativas, etc. Lembre-se que o louvor não é para o homem, mas para Deus! As pessoas devem olhar para Ele! Estar atento à aparência – cabelos penteados, dentes escovados, usar desodorante, perfume, etc.
– Sensibilidade – estar atento à maneira como o louvor está transcorrendo e explorar um determinado cântico quando perceber que está fluindo profeticamente. Flua!!! A ministração é como um “vôo de avião”, tem um destino. Evitar deixar “brancos” entre um cântico e outro; para isso é indispensável desenvolver um bom entrosamento com os músicos, combinar sinais, etc.
– Expressão – está também ligada à inspiração que nasce do nosso tempo diário com o Senhor. A pessoa inspirada tem expressão! A principal fonte de inspiração é a Palavra de Deus. Quanto mais Palavra eu tiver mais inspirado serei. Ao meditar naquilo que canto, o resultado será uma expressão real de vida, que contagiará toda a congregação. Precisamos aprender a meditar naquilo que cantamos para termos uma expresão condizente com a música ministrada. Lembre-se, existem cânticos para Deus de louvor e adoração, cânticos que cantamos uns para os outros, cânticos evangelísticos, etc.

Os músicos – Sl. 33:3
– Expressão – vale para os músicos os mesmos princípios aplicáveis ao dirigente na questão da expressão. Os músicos também têm um papel fundamental no louvor, principalmente o de profetizar com seus instrumentos – II Rs. 3:15.
– Precisam se exercitar nisto em casa, nos ensaios, nos cultos, dando total importância a esse desafio, aprofundando-o cada vez mais – I Cr. 25:1.
– Disciplina – é fruto de maturidade musical. O músico maduro tem conhecimento de suas responsabilidades e procura cumpri-las à risca. Por exemplo: chega nos horários marcados, tem cuidado com os equipamentos da igreja, nos ensaios obedece os arranjos apresentados, controla o volume do seu instrumento, nos ensaios e antes de começar o culto, não “desperdiça” unção tocando “outras músicas” (Altar no A.T. era usado para sacrifício. “Palco” é diferente de “altar”), quando o arranjo pede um solo, toca somente o necessário sem se exceder, procura estar em sintonia com tudo o que acontece durante o louvor, ou seja, não é um “alienígena” em cima do púlpito (o não se exceder também se aplica ao grupo vocal).
– Inspiração – a exemplo do dirigente, o músico sempre deve estar inspirado – I Sm. 18:10. O músico inspirado está sempre pronto à participar inclusive com cânticos espirituais (vale para o backing vocal também).

Equipe de Dança
– Sl. 150:1-6; 30:11,12 É uma das maneiras de como podemos expressar o louvor e adoração a Deus.
– Expressão – É importante a expressão facial e corporal, e deve ser condizente com a música que está sendo ministrada.
– Roupas – Estar sempre atento para não chamar à atenção das pessoas. Ser prudente!
– Técnica e estilo – Os que lideram o grupo devem conhecer vários estilos (balé, street dance, etc), lembrando que cada estilo deve ser coerente ao tipo de música. O sincronismo entre o grupo é um fator muito importante.
– OBS: Tomar cuidado para não tornar a dança sensual.

Observando esses princípios básicos estaremos cooperando com o propósito do Pai e seremos grandemente abençoados.

 

Autor: Pr. Adhemar de Campos

 

Princípios para louvor e adoração efetivos

733992.jpg
Autor: Joe Pace


Louvor e adoração é um ministério que tem um chamado único e específico. Requer dons e habilidades especiais que são diferentes daqueles de um músico, membro de coral, vocalista, pastor e etc.O Ministro de louvor e adoração é um indivíduo chamado e ungido por Deus para ministrar em Sua Casa, liderando o povo de Deus à Sua presença.

Liderar louvor e adoração podem ser uma das tarefas mais difíceis dentro de uma igreja. Imagine liderar toda uma congregação (lembre-se que alguns estão cansados, doentes, machucados, teimosos, preguiçosos, não são fáceis de ensinar e etc) na presença do Todo-poderoso Deus, em ambos os níveis individuais e congregacionais. Não preciso dizer que é uma tarefa extremamente difícil! Por isso você precisa ser especificamente chamado e ungido para este ministério.

Lembre-se, o momento de louvor e adoração deve ser uma parte ativa, participatória e integral do culto. A congregação não deve ser um espectador, mas deve se tornar um participante ativo.

Abaixo darei uma breve compilação de alguns princípios que eu selecionei e separei em anos de experiências no ministério de louvor e adoração. Eu oro para que estas ferramentas possam reforçar mais e mais o seu ministério de louvor.

As três funções do líder de louvor:

1. Liderar toda a congregação até a presença de Deus
A congregação necessita de ter um encontro sobrenatural com o Pai em todos os cultos.

2. Coordenar e dar cobertura ao grupo de louvor e aos músicos
Tenha certeza de ter um conhecimento básico de música e do ministério dos cantores e músicos que trabalham com você. Quando você está liderando adoração, você é responsável pelo que está acontecendo musicalmente no palco.

3. Preparar a congregação para o tempo de palavra
Tenha certeza de estar em sintonia com a liderança da igreja. Entenda a direção que Deus está dando à sua igreja através da visão do pastor.

A atitude de um líder de louvor

1. Seja entusiasta e positivo. Soria! Deixe seu rosto refletir a Glória e alegria de Deus. Se você não fizer isso, a congregação não fará também.
2. Esteja no comando. Não seja muito tímido. Dê direções firmes. Lembre-se, insegurança destrói a criatividade.
3. Lidere pelo exemplo. Você deve ser o exemplo para um envolvimento mais ativo (aplauda, dê brados, levante as mãos, etc).
4. Seja um encorajador e um exortador. Não pregue! Apenas encorage.
5. Você deve adorar junto com a congregação.

A preparação do líder de louvor

1. Santifique-se;
2. Espere a direção do Senhor;
3. Sustância e exatidão, uma lista categorizada de músicas;
4. Ensaie, ensaie e ensaie!

Pontos práticos para o líder de louvor

1. Conheça seus músicos, cantores e/ou trilhas.

* – Ensaie com os músicos e cantores;
* – Crie sinais com as mãos para que eles possam te seguir.

2. Mudanças no tempo da música.

3. Modulações e novos tons.

4. Direções entre as músicas (repetições de coro e etc).

5. Mudanças na intensidade.

6. Transições entre as músicas.
– Escolha as músicas (com tons apropriados) antes do culto.

7. Não gaste muito tempo falando
– Encoraje o povo enquanto eles adoram (Não assuma que todos sabem o que está acontecendo)
– Você pode facilmente quebrar o fluir durante a adoração falando demais.
– Não bata na cabeça da congregação! Se alguma correção ou exortação precisa ser dada, isto deve ser feito pelo pastor, não por você.

8. Escolha suas músicas com cuidado

* – Atente para desenvolver e completar algo na adoração. Veja a adoração num âmbito geral.
* – Tome cuidado com temas, andamento e mudanças de tom (algumas músicas não podem ser ligadas!).
* – Mantenha um fluir entre as músicas. Não pare tudo depois de cada música. Aprenda medleys ou escolha músicas que possam ser interligadas (musicalmente e espiritualmente)
* – Você está cantando num tom que é confortável para você, mas que não é confortável para a congregação?
* – Músicas de adoração normalmente precisam ser cantadas em tons mais baixos do que músicas de louvor.
* – Não escolha músicas que tem um grande número de palavras e versos para a congregação cantar, ou que tenha grandes “solos”. Você somente irá perder a congregação e eles não irão participar da adoração.
* – Escolha mais músicas do que você precisa (esteja preparado para surpresas)

9. Conheça sua música

* – Não ensaie com a congregação.
* – Não cante músicas com as quais você não está familiarizado! Isto apenas traz confusão e dificulta para a congregação se focar em Deus.
* – Esteja preparado!

10. Dê direcionamentos firmes

* – Você PRECISA liderar. Não a congregação, não o coro, não o grupo de louvor ou os músicos. VOCÊ tem que liderar!
* – Sempre lidere com sua voz. Não fique assustado com a primeira nota e permaneça na melodia o máximo que for possível.
* – Dê direções claras. As pessoas respondem melhor quando eles sabem o que é esperado deles. Seja o que você quer que eles sejam.
* – Esteja um pouquinho à frente dos versos ou coros do louvor e adoração que você está cantando. Algumas vezes, em músicas novas, é bom até falar os versos antes para que a congregação saiba o que está por vir. Você deve liderar com sua voz.
* – Tenha certeza que você está liderando as pessoas para o Senhor e não para você. Lidere de uma maneira que não atraia a atenção para você.
* – Abra os olhos! Mantenha contato visual.

11. Esteja sensível ao fluir e ao timing do Espírito Santo.

* – Não tenha medo de cantar uma estrofe ou um coro várias vezes
* – Não tenha medo do silêncio (Existem diferentes ondas de adoração)
* – Saiba quando uma música já foi cantada o suficiente! Pare!
* – Não se apresse. Dê tempo para o Espírito Santo se mover.
* – Você precisa estar preparado e sensível para o Espírito Santo. Estes dois não são mutuamente exclusivos.
* – Nunca coloque Deus numa caixinha. Ele pode querer fazer algo completamente diferente do que você planejou. (Você pode cantar apenas uma música por todo o período de louvor e adoração! Esteja aberto para isso).
* – Sempre mantenha um olho no pastor. Ele/ela saberão quando algumas coisas estão em ordem e quando não estão.
* – Não tenha medo de mudar a estrutura da música. Talvez permitindo que só as mulheres cantem uma estrofe ou só os homens cantem o coro ou, então, que a congregação cante a capela algumas vezes.
* – Não fique tão “perdido no Espírito” de maneira que você esteja alheio ao que está acontecendo em volta de você.

“Meus filhos não sejam negligentes agora, pois o Senhor os escolheu para estarem diante dEle, para servi-lO e você deve ministrar a Ele e queimar incenso”. 2 Cr 29:11