Agora só as vozes!!!

Autor: Mirella de Barros Antunes


Os vocalistas desempenham um papel muito específico na dinâmica da ministração nos cultos.
A característica principal e indispensável para o grupo vocal é a unidade, a sincronia, no plano espiritual e musical, é importante estar no mesmo espírito, no mesmo ânimo, e no mesmo ritmo.

1. Em sincronia com o Espírito

” O Espírito do senhor Deus está sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar as boas novas aos pobres… restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e abertura de prisão aos presos, a apregoar o ano aceitável do Senhor, e o dia da vingança do nosso Deus, a consolar todos os tristes ” Isaías 61:1e2.

Este Espírito que habita em nós deve nos conduzir na ministração, é ele quem nos revela Jesus e vivifica a palavra cantada.(IICor. 6:3).
Precisamos ter comunhão com Ele através da oração, do estudo da Palavra, e de uma constante linguagem de louvor e ações de graças (Ef. 5: 18 a 20).
Quando estivermos em comunhão com o Espírito as maravilhas de Isaías 61 serão reais no período de louvor.

2. Em sincronia com o dirigente de louvor

Esta sincronia se dá por dois processos:
. Comunhao: sabemos que nosso tempo é precioso por isso aproveite as oportunidades de conhecer e compreender o ministro que dirige o louvor da reunião que você participa. Assuma as cargas, as expectativas, os desafios, as palavras rhema que ardem no coração dele.
Sirva-o como serviria a Jesus (Ef. 6: 5 a 8).
. Atenção: nao se desligue do dirigente de louvor no momento da ministração, siga os seus comandos como ‘Levante suas mãos!’, ‘Com palmas!’, ‘De um grito de júbilo!’, e tantos outros, não faça simplesmente o que der vontade. Nos momentos de cantar para os irmãos olhe também para o povo e durante as orações não fique poupando a voz, participe ativamente! O dirigente está ali para conduzir, então siga-o!

3. Em sincronia com o grupo vocal

Algumas pessoas dizem que é mais fácil cantar um arranjo complexo do que um bom uníssono.
O grupo vocal deve estar em unidade musical e espiritual, é neste “ambiente” que a benção de Deus repousa (Sl.133)
. No plano musical se preocupe em: Afinar os uníssonos: corrija notas, métrica, e letra.
. Timbrar as vozes: o grupo todo deve soar como se apenas uma pessoa estivesse cantando.
. Passar os arranjos: cada voz deve ser assimilada com segurança.
. Expressar a mensagem: use variações de dinâmica, reflita sobre a letra da música, tente trazer á tona a essência musical do cântico em questão.

No plano espiritual se preocupe em:
. Desenvolver amizade: procure construir um relacionamento real, fuja do caminho da superficialidade.
. Fortalecer uns aos outros: pela oração e no compartilhar da Palavra.

No momento da ministração:
. Passe os microfones: isto deve acontecer antes do louvor começar.
. Não isole: mantenha a relação com o grupo, olhe, dance junto…
. Não descubra seu irmão: se houver muitos erros resolva-os no próximo ensaio e não no intervalo entre um cântico e outro.
. Flua no Espírito: não é esta a hora de ficar se estressando com arranjos, de lugar para que a voz do Espírito seja ouvida.

Anúncios

Ministração de Louvor no Culto

1443765647_c6d2394afe.jpg
O valor do culto – Mt. 4:10
O momento do culto é o momento da grande celebração ao Senhor. É quando a congregação se reúne para celebrar o milagre da ressurreição de Jesus, da nova vida em Cristo, da comunhão no Espírito e das conquistas espirituais. Para ministrarmos diante do Senhor e da congregação precisamos ser eficientes e sensíveis.

Preparação dos ministros – II Tm. 2:15
– Aspecto espiritual – é necessário oração e leitura bíblica diariamente; um jejum semanal; oração e compartilhamento entre o grupo.
– Aspecto musical – é preciso realizar ensaios para que haja entrosamento (iniciar com um texto bíblico e oração).
Ter uma lista definida de cânticos; quando forem novos, providenciar cifras.
Manter a ordem no ensaio evitando distrações, brincadeiras e conversas paralelas que são verdadeiros “ladrões de unção”.
É necessário total concentração durante o ensaio; estar atento às orientações, arranjos, rítmica, métricas, etc.
O tempo do ensaio deve ser também um tempo de ministração.

Repertório – Sl. 96:1
Porque cantar um cântico novo? Para cantar com o coração e não apenas com a mente. Cantar o mesmo cântico em todos os cultos pode se tornar cansativo e enfadonho, e as pessoas acabam cantando apenas com a mente.
– Elaborar um repertório adequado ao tipo de reunião, ex: reunião de jovens, evangelismo, ceia, etc; o repertório de um culto dominical é diferente de um lançamento de um cd, por exemplo;
– Elaborar um repertório adequado ao tempo de duração do louvor (conferir com o pastor); Dependendo do tempo dado à ministração dos cânticos não será necessário uma lista extensa de músicas. Estar sensível e atento a isso, e como no tópico anterior, diferenciar o tipo de programação;
– É importante que o período de louvor seja iniciado com cânticos de celebração e de guerra, seguidos de cânticos de adoração. Existe um protocolo, uma ordem para entrarmos na presença de Deus – Sl. 100. Observe:
Acões de Graças (Portas) – Gratidão.
Louvor (Átrios) – Alegria, gritos, música sobre os feitos poderosos de Deus, quem Ele é e o que faz.
Adoração (Lugar santíssimo) – intimidade com Deus, músicas para Ele. Isso pode mudar segundo a orientação do Espírito Santo, mas é necessário ter uma ordem na sequência dos cânticos. Seja sensível!!!

O dirigente – II Cr. 29:27-30
O rei Ezequias estava a frente representando a liderança principal. Os líderes devem ir a frente e ensinar os seus músicos a profetizar!
O dirigente tem uma função importante no processo de culto coletivo. É responsável em conduzir a congregação na adoração ao Senhor. Para isso precisa estar consciente da sua missão e devidamente preparado. Vejamos alguns princípios que facilitarão sua tarefa:

– Dependência do Espírito – antes de tudo, buscar essa dependência geral, total e irrestrita, entendendo que o culto é do Espírito Santo e Ele sabe o que é melhor para cada pessoa na congregação, e dá ao dirigente as diretrizes da reunião – Rm. 8:26-27. Cuidado para não manipular as pessoas!
– Abertura do culto – o dirigente deve tratar o povo com amabilidade, encorajando-o com uma promessa da Palavra, tomar cuidado com a maneira de falar, não ser grosseiro, indelicado, etc. Esse primeiro contato é a chave para o desenvolvimento de uma ministração abençoada e abençoadora.
– Devemos evitar – vícios de palavras, erros de português, “pregações” durante o louvor, interromper a ministração para “ler a Bíblia”, deixar o povo em pé por muito tempo, vestimenta inadequada, tipo roupa justa, transparente, cores chamativas, etc. Lembre-se que o louvor não é para o homem, mas para Deus! As pessoas devem olhar para Ele! Estar atento à aparência – cabelos penteados, dentes escovados, usar desodorante, perfume, etc.
– Sensibilidade – estar atento à maneira como o louvor está transcorrendo e explorar um determinado cântico quando perceber que está fluindo profeticamente. Flua!!! A ministração é como um “vôo de avião”, tem um destino. Evitar deixar “brancos” entre um cântico e outro; para isso é indispensável desenvolver um bom entrosamento com os músicos, combinar sinais, etc.
– Expressão – está também ligada à inspiração que nasce do nosso tempo diário com o Senhor. A pessoa inspirada tem expressão! A principal fonte de inspiração é a Palavra de Deus. Quanto mais Palavra eu tiver mais inspirado serei. Ao meditar naquilo que canto, o resultado será uma expressão real de vida, que contagiará toda a congregação. Precisamos aprender a meditar naquilo que cantamos para termos uma expresão condizente com a música ministrada. Lembre-se, existem cânticos para Deus de louvor e adoração, cânticos que cantamos uns para os outros, cânticos evangelísticos, etc.

Os músicos – Sl. 33:3
– Expressão – vale para os músicos os mesmos princípios aplicáveis ao dirigente na questão da expressão. Os músicos também têm um papel fundamental no louvor, principalmente o de profetizar com seus instrumentos – II Rs. 3:15.
– Precisam se exercitar nisto em casa, nos ensaios, nos cultos, dando total importância a esse desafio, aprofundando-o cada vez mais – I Cr. 25:1.
– Disciplina – é fruto de maturidade musical. O músico maduro tem conhecimento de suas responsabilidades e procura cumpri-las à risca. Por exemplo: chega nos horários marcados, tem cuidado com os equipamentos da igreja, nos ensaios obedece os arranjos apresentados, controla o volume do seu instrumento, nos ensaios e antes de começar o culto, não “desperdiça” unção tocando “outras músicas” (Altar no A.T. era usado para sacrifício. “Palco” é diferente de “altar”), quando o arranjo pede um solo, toca somente o necessário sem se exceder, procura estar em sintonia com tudo o que acontece durante o louvor, ou seja, não é um “alienígena” em cima do púlpito (o não se exceder também se aplica ao grupo vocal).
– Inspiração – a exemplo do dirigente, o músico sempre deve estar inspirado – I Sm. 18:10. O músico inspirado está sempre pronto à participar inclusive com cânticos espirituais (vale para o backing vocal também).

Equipe de Dança
– Sl. 150:1-6; 30:11,12 É uma das maneiras de como podemos expressar o louvor e adoração a Deus.
– Expressão – É importante a expressão facial e corporal, e deve ser condizente com a música que está sendo ministrada.
– Roupas – Estar sempre atento para não chamar à atenção das pessoas. Ser prudente!
– Técnica e estilo – Os que lideram o grupo devem conhecer vários estilos (balé, street dance, etc), lembrando que cada estilo deve ser coerente ao tipo de música. O sincronismo entre o grupo é um fator muito importante.
– OBS: Tomar cuidado para não tornar a dança sensual.

Observando esses princípios básicos estaremos cooperando com o propósito do Pai e seremos grandemente abençoados.

 

Autor: Pr. Adhemar de Campos