LEVA-ME ALEM (AO VIVO) – TOQUE NO ALTAR

Chegamos em um determinado momento de nossas vidas em que não basta estarmos indo à igreja todos os dias, ouvir a palavra e voltarmos para casa.

Ai então nos percebemos que  precisamos ir além, precisamos de algo a mais em nossa vidas.

Essa canção me fez descobrir isso, eu preciso ir além, eu preciso ter mais intimidade com Deus.

Essa canção é minha oração, é o meu pedido ao Senhor.

“LEVA-ME ALÉM SENHOR”

Anúncios

Técnica vocal – parte 03

446601689_66fc64459e2.jpg
Respiração

O controle da respiração é fundamental para quem quer cantar ou atuar. Será que você está aproveitando toda a sua capacidade respiratória?

Na inspiração, o tórax se alarga e o diafragma, contraído, fica numa posição baixa. Isto permite que o ar entre naturalmente em nosso corpo. Quando a musculatura relaxa, encolhendo o tórax e elevando o diafragma, o ar sai (expiração).

Para a produção da voz, porém, é importante pensar na inspiração e na expiração como sendo um mesmo processo, um único movimento. O alargamento do tórax deve ser aproveitado ao máximo enquanto se produz o som – o cantor está sempre numa atitude de inspiração, mantendo assim o tóxax aberto e o diafragma abaixado. Nesta condição, ele tem todo o controle (apoio) necessário à produção do canto. A cada nova frase cantada, o processo se repete: o tórax encolhe para expulsar o resto de ar “antigo” e imediatamente expande, trazendo novo suprimento de ar para se produzir a próxima frase.

Observação: Note que mudanças na sua rotina – como dormir mais tarde do que o costume, uma gripe forte, uma situação estressante, etc. – podem afetar significativamente o seu desempenho. Quando isto ocorrer, não desanime: use esta constatação a seu favor, ampliando a sua capacidade de auto-conhecimento. Saber como funciona o seu corpo é fundamental para quem quer cantar!

Exercício 1

Inspirar expandindo o tórax. Você deve sentir o alargamento das costelas flutuantes, mais ou menos na altura da cintura. NÃO LEVANTE OS OMBROS NEM ESTUFE O PEITO! Cuide também para que a musculatura do pescoço não esteja tencionada. Sustentar por alguns segundos (pausa) e expirar esvaziando totalmente (sanfona).

Exercício 2

Repetir o ex. 1, desta vez fazendo o som “SSSSS…” (contínuo) durante a expiração. Procure manter o som homogêneo, estável, sem variação de intensidade, e durante um tempo confortável, sem exageros.

Exercício 3

Repetir o ex. 1, agora fazendo sons bem curtos em “S” (stacatto). A cada som corresponde uma expansão do tórax (como se quisesse alargar ainda mais a cintura).

Exercício 4

Alternar os exercícios 2 e 3: S – S – S – S – SSSSSSSSS (stacatto / contínuo).

Exercício 5

Repetir os exercícios com os sons de “CH” e depois com “F”. Marque o tempo confortável para manter um som contínuo, homogêneo, sem oscilações (SSS, CH, FFF). A partir deste tempo básico, comece a tentar aumentar sua capacidade, mas sem perder a qualidade.

Exercício 6

Inspire lentamente enquanto caminha cinco passos. Observe sempre o alargamento natural do tórax. Quando for dar o sexto passo, comece a fazer um som com a boca fechada (bocachiusa): Hummmmm….. durante os próximos cinco passos. Atenção: use a região média de sua voz – ou seja, o som não deve ser nem muito grave nem muito agudo. No sexto passo, “jogue fora” o ar que restou e recomece o processo – volte a inspirar lentamente e repita o ciclo.

Exercício 7

Parecido com o anterior, mas em vez de “hummmmm”, conte de 1 até 5, dizendo um número para cada passo. Atenção: use a região média de sua voz.

Exercício 8

Mantenha os cinco passos para inspirar, mas tente variar o tempo de expiração – por exemplo, você pode ir acrescentando dois passos de cada vez. É uma boa maneira de monitorar o seu progresso.

(Dados obtidos em Teatro Evangélico.com.br )